Eventos 58383268_2691474747592984_1877812714592534528_n

Publicado em 7 maio, 2019 | por Marina Cavalcante

0

Palestra de advogado esclarece reforma da previdencia

Previdência
Atuais e próximos aposentados perderão
pagamento com reforma da previdência

Na foto, advogado Pardal Freudenthal fala no auditório do Sindserv Guarujá, na noite de quarta-feira

Os atuais e os próximos aposentados ficarão sem pagamento das aposentadorias se a reforma da previdência do governo for aprovada pelo congresso nacional.
A afirmação é do advogado especializado em previdência social Sérgio Pardal Freudenthal, que esteve no sindicato dos servidores municipais de Guarujá (Sindserv), na noite desta quarta-feira (24).
Foi a primeira reunião local do ‘fórum contra a reforma da previdência’, quando se definiram atividades de esclarecimento à população sobre o problema.
Pardal explicou que as aposentadorias deixarão de ser pagas porque não haverá dinheiro na previdência social, já que os futuros segurados não contribuirão mais com o atual regime de repartição.
Se a chamada capitalização embutida na reforma vigorar, as contribuições, exclusivas dos trabalhadores, serão feitas em contas bancárias individuais, sem aporte das empresas.

Sem
garantias
Pardal explicou que, se a reforma for aprovada, os aposentados “não terão mais garantias constitucionais. A previdência, a saúde e a assistência social estão em risco muito grave”.
Segundo ele, a previdência “não tem déficit. Ao contrário, é superavitária. O problema é que pegam seus recursos para outras finalidades, inclusive pagamento de juros da dívida pública”.
Para ele, “a reforma contempla interesses basicamente dos bancos. E não poderia ser diferente. Paulo Guedes (ministro da fazenda) é banqueiro, fundador do banco Pactual, hoje BTG Pactual”.

Descalabro e
desumanidade
Ao abrir a reunião, o presidente do Sindserv, Zoel Garcia Siqueira, disse que o Brasil “é administrado por um grupo político conservador e reacionário que deixa os trabalhadores em último plano”.
“No sindicato, não lutamos apenas pelos servidores, que são nossa prioridade. Lutamos por todos os trabalhadores, vítimas do descalabro e desumanidade das reformas trabalhista e previdenciária”, disse.
Zoel criticou o ministro da fazenda, Paulo Guedes, por se negar a fornecer informações e fundamentos que levaram o governo a apresentar a reforma da previdência ao congresso nacional.
“Por que esse segredo?”, questionou o sindicalista. “Por que esconder da opinião pública, da imprensa, dos deputados e senadores essas informações? Porque certamente há coisas erradas”.

Ataques
e tragédias
O presidente do sindicato dos servidores municipais de Santos (Sindserv), Flávio Antônio Rodrigues Saraiva, que abordou a parte política da campanha, classificou a reforma de “tragédia”.
“Neste momento terrível do país, temos dois grandes ataques contra os trabalhadores”, disse o sindicalista, referindo-se às reformas trabalhista, de Michel Temer (PMDB), e previdenciária, de Jair Bolsonaro (PSL).
“A trabalhista fragilizou os trabalhadores”, ponderou Flávio. “E a previdenciária não garante sequer os pagamentos dos que já estão aposentados, pois não haverá dinheiro para isso”.
O dirigente ressaltou que a reforma da previdência prejudica também os servidores e defendeu que o movimento contra ela não deve se restringir aos sindicatos.

Nos
bairros
“É por isso que vamos aos bairros, em busca de suas lideranças, para capilarizar a luta e espalhar as informações necessárias ao engajamento da população”, disse Flávio.
Segundo ele, essa atividade acontece por meio dos fóruns criados em todo o país, que buscam as igrejas católica, evangélica e de outras religiões, além de associações de melhoramentos e demais organizações.
“Vamos de bairro em bairro, com carros de som e panfletos”, explicou. “Conversamos em todas as esquinas, residências, bares. No final do dia, fazemos uma reunião geral para esclarecimentos”.

Nova reunião
na segunda-feira
Ao final da reunião, Zoel elogiou a presença do presidente da câmara municipal, Edilson Dias (PT), e do secretário municipal do meio ambiente Sidnei Aranha (PCdoB).
A próxima reunião, de trabalho, será na segunda-feira (29), às 19 horas, no mesmo Sindserv. No dia seguinte, a partir das 18 horas, haverá uma passeata, em Santos, no bairro Gonzaga.



Comments are closed.

Voltar ao topo ↑