Artigos SEM-CRISE-FALTAM-SÍNDICOS-PROFISSIONAIS-PREPARADOS-NO-MERCADO-ALERTA-PRÓ-SÍNDICO

Publicado em 29 setembro, 2017 | por Marina Cavalcante

0

Em artigo jornalista econômico afirma que crise não abalou finança pública de Guarujá

O jornalista econômico e consultor de finanças públicas Rodolfo Amaral publicou interessante texto no Facebook, que aqui reproduzimos e o secretario geral desta entidade sindical comenta:

CRISE NA PÉROLA DO ATLÂNTICO – Os temidos efeitos da crise econômica também não abalaram de forma expressiva as contas do Município de Guarujá. Nos oito primeiros meses de 2017, a Receita Corrente Líquida (RCL), em valores atualizados para 31 de agosto, alcançou R$ 791.990.219,00, contra R$ 796.677.656,00 apurados em idêntico período do ano passado. Assim, a perda financeira foi de apenas R$ 4.687.437,00, ou de 0,59%, queda que acabou sendo compensada pela redução de R$ 5.549.137,00 no custo da folha salarial de janeiro a agosto, também em valores atualizados. Observou-se, porém, uma redução de R$ 30.570.906,00 no valor de investimentos realizados em 2017, contra igual período em 2016, fato que certamente ocorreu para poder permitir a amortização da dívida herdada da Administração anterior. Em Guarujá, também houve uma devolução antecipada de recursos economizados pela Câmara Municipal,no primeiro semestre, no valor de R$ 2 milhões, mas tais recursos foram destinados para investimentos na saúde e na assistência social. Não houve qualquer desculpa de necessidade de aporte de verbas para garantir salários dos servidores, afinal, o dispêndio com pessoal representa apenas 44,50% da RCL.

 

Comentário de Edler Antonio da Silva – secretário geral do Sindserv Guarujá

Essa redução de R$ 5.549.137,00 no custo da folha salarial de janeiro a agosto de 2017 em valores atualizados, comparado ao mesmo período de 2016, confirma cientificamente a sensação e percepção dos cerca de 6 mil servidores efetivos de Guarujá que amargam perdas salariais e cortes drásticos de seus vencimentos com conseqüente perda do poder aquisitivo devido aos efeitos de uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI nº 2220811-41.2015.8.26.0000 do TJSP) que afetou vários direitos remuneratórios do funcionalismo a partir, justamente, de agosto de 2016.

Mesmo com a reposição inflacionária da data-base de abril de 2017 em 5,354% a redução de gastos com despesas de pessoal é notória. Se todos os benefícios e direitos dos servidores estivessem em dia seria outra história. A economia do município com os efeitos da ADI não foi revertida para despesas de pessoal no mesmo volume da perda. Licenças-prêmio, promoções horizontais e de níveis e outros benefícios não estão em dia e o volume de passivo salarial aumenta a cada dia.

Se não bastasse, o governo municipal não atenta que o céu não é de brigadeiro e que nessa primavera nem tudo são flores no Guarujá. Vamos ver se os gestores municipais conseguem se recuperar da péssima impressão de que os servidores não são a prata da casa e que não há nenhum projeto de valorização do funcionalismo; aliás, parece mesmo que não há nenhum projeto, nem que seja por meritocracia, que eleve a auto-estima dos servidores, promova a motivação pessoal e tenha reflexos positivos nos serviços públicos prestados à população. Afinal, cuidar da prata da casa, também é cuidar da cidade e das pessoas.



Comments are closed.

Voltar ao topo ↑